Evitar erros durante o fechamento do arquivo pode facilitar muito a impressão do material, garantindo que o resultado final atenda às expectativas do cliente.

Para isso, antes de enviar seus arquivos para a gráfica, deve-se considerar diversos aspectos que impactam diretamente na qualidade do resultado.

Veja a seguir alguns cuidados essenciais a serem observados. Confira!

 

Texto em curva para impressão

Converter um texto em curvas impede que ele seja editado posteriormente. É um processo fundamental para impedir a troca acidental de fontes ou ainda evitar que novos caracteres sejam escritos acidentalmente, assegurando a fidelidade ao original.

Essa prática transforma textos em imagens vetoriais não editáveis, garantindo a visualização correta em diferentes computadores.

Assim, independentemente da presença ou ausência de determinada fonte no computador da gráfica, o seu projeto permanecerá intacto.

 

CMYK ou RGB para impressão

CMYK ou RGB para impressão

Ao enviar materiais para as gráficas, muitas vezes nos deparamos com surpresas desagradáveis ao receber impressões com tons diferentes.

Isso acontece porque o padrão de cores utilizados para impressão é o CMYK, representado pelas cores Cyan (ciano), Magenta, Yellow (amarelo) e Black Key (preto), e as telas de monitores e televisões exibem o padrão RGB, composto por Red (vermelho), Green (verde) e Blue (azul).

O modelo de cores RGB, composto por cores de luz, tem a capacidade de criar todas as tonalidades visíveis ao olho humano.

Por outro lado, o CMYK apresenta uma gama mais limitada de cores, incapaz de reproduzir tonalidades vibrantes, como o dourado e cores fluorescentes, de maneira tão eficaz.

Por isso, é muito importante configurar o padrão de cores ao iniciar um projeto, tendo em mente sua forma final: caso possua a intenção de utilizar o material na internet ou TV, o padrão RGB suprirá bem suas necessidades; já se a intenção for imprimir, é preferível utilizar o padrão CMYK.

Converter o projeto já concluído para CMYK também é uma possibilidade, contudo deve-se ter em mente que a mudança de configuração pode acarretar em alterações nas tonalidades.

Assim, é recomendável trabalhar inicialmente com o padrão CMYK, especialmente se a impressão final for em papel, assegurando consistência nas cores planejadas.

Leia também: Dicas para melhorar a impressão em Preto e Branco

 

Imagem em alta resolução

A resolução das imagens do projeto deve receber uma atenção especial para que a qualidade da impressão não seja comprometida.

O que determina a resolução de uma imagem é o chamado DPI (dots per inch, ou PPP – pontos por polegadas, em português), o qual refere-se à quantidade de pixels por polegada presentes nela.

Ou seja, isso implica que uma imagem com uma resolução de 600 DPI possui 600 pixels de altura e 600 pixels de largura, resultando em um total de 360.000 pixels (600×600).

Conheça algumas resoluções comuns:

  • 150 DPI – Utilizada em jornais, é indicada somente para textos;
  • 300 DPI – A mais indicada para documentos de textos, utilizada em livros, revistas e outros. Imagens muito detalhadas podem perder qualidade.
  • 600 DPI – Impressão de imagens em alta qualidade.
  • 1.200 DPI – Qualidade excelente para a impressão de imagens. Maior qualidade na coloração.
  • Acima de 1.200 DPI – Recomendada para impressão fotográfica profissional. Altíssima qualidade de cor, definição e nitidez.

Assim, entende-se que quanto maior a DPI, maior será a resolução da imagem.

Um fator a se lembrar é que imagens baixadas da internet não costumam possuir resolução suficiente para manter a qualidade após a impressão.

Elas geralmente contém uma resolução de 72 DPI – e, para obter uma qualidade ideal para impressão, é necessário que a imagem tenha pelo menos 300 DPI.

Uma sugestão para esses casos é, ao baixar arquivos com baixa resolução, você pode importá-los para programas de edição, como Photoshop ou Illustrator, e reduzir a imagem. A nitidez da imagem também depende do seu tamanho.

Compreender esses dados pode auxiliar na decisão da resolução apropriada para a impressão, o que impacta significativamente na qualidade do seu projeto.

 

Área de impressão

A área de cobertura para impressão se refere à porcentagem de uma folha que é ocupada por tinta ou toner durante a impressão. Em outras palavras, é a quantidade de tinta aplicada em uma área específica da página.

Ao imprimir uma página, o espaço preenchido varia de acordo com o seu conteúdo. Se uma página estiver preenchida com textos longos e densos ou gráficos intensos, a área de cobertura será mais alta. Por outro lado, páginas com texto leve, com mais espaços em branco, terão uma área de cobertura mais baixa.

Para medir a área de cobertura, é comum utilizar uma escala de 0% a 100%, representando a quantidade de tinta que cobre uma página.

Por exemplo, um texto padrão pode ter uma área de cerca de 5-10%, enquanto uma fotografia colorida pode atingir 80% ou mais.

Um detalhe importante é que, em impressões coloridas, a área de cobertura é determinada pela soma das quatro cores (CMYK).

Os profissionais de impressão costumam utilizar esse método para avaliar o consumo de tinta ou toner e o custo associado.

Algumas gráficas podem cobrar uma diferença a parte caso a impressão ultrapasse a área de cobertura de 5% que é a cobertura de base dos fabricantes de suprimentos das máquinas para definição do custo de impressão.

Veja abaixo um exemplo de área de cobertura de impressão:

Exemplos de área de cobertura de impressão

Além disso, a área de cobertura também desempenha um papel crucial na qualidade da impressão. Se a quantidade preenchida for muito alta, pode ocorrer saturação de tinta, resultando em secagem inadequada, manchas ou papel ondulado.

Assim, comunicar as especificações de área de cobertura ao enviar arquivos para a gráfica pode garantir que o resultado final atenda às suas expectativas.

 

Leia também: O que é Plotagem de projetos e quando usar

Sangria, marca de corte, marca de segurança

Sangria, marca de corte, marca de segurança

Fundamentais para evitar erros após a impressão, a sangria, a marca de corte e a marca de segurança indicam a separação de alguns elementos no documento que será enviado à gráfica.

A sangria é uma área que excede os limites de corte do design, utilizada para impedir que o material final tenha margens brancas.

No Brasil, o padrão da sangria varia de 1mm à 3mm. Por causa da variação que pode ocorrer durante o corte do material impresso, é recomendável sangrar o documento, inclusive as imagens, para melhorar o acabamento gráfico.

Já a marca de corte delimita o ponto exato onde o material deve ser cortado, vindo antes do espaço da sangria. Ela é importante para direcionar o acabamento do refile.

A margem de segurança é uma outra forma de garantir que o corte seja realizado de modo adequado, sem causar prejuízos para o restante do material. Ela indica todo o conteúdo que não deve ser cortado, dessa forma evitando que ocorra a perda de dados. A margem recomendada é de 5mm para arquivos pequenos, e de 1cm para maiores.

Essas três marcações são muito importantes em diversos tipos de materiais impressos, como cartão de visitas, convites, panfletos, cartazes e banners

Ao serem feitas corretamente, podem contribuir para que elementos importantes do design sejam preservados.

 

Conclusão sobre cuidados antes da impressão

Ao considerar esses cuidados antes de imprimir, você está investindo na qualidade do seu projeto, garantindo que ele se destaque da melhor forma possível.

Lembre-se sempre de dialogar com a gráfica escolhida para obter orientações específicas e garantir um resultado final que atenda às suas expectativas.

 

Se está à procura de uma gráfica rápida na região da Lapa, entre em contato com a Redecópia e faça seu orçamento com a gente, se precisar, tiramos todas as suas dúvidas sobre impressão em gráfica!

Open chat
1
Fale conosco
Escanear o código
Olá
Podemos te ajudar?